domingo, 15 de maio de 2011

Petardo, poesia de Cristiane Sobral

PETARDO
Cristiane Sobral


Escrevi aquela estória escura sim.
Soltei meu grito crioulo sem medo pra você saber
Faço questão de ser negra nessa cidade descolorida
Doa a quem doer.
Faço questão de empinar meu cabelo cheio de poder
Encresparei sempre, em meio a esta noite embriagada de trejeitos brancos e fúteis
Escrevi aquele conto negro bem sóbria
Para você perceber de uma vez por todas
Que entre a minha pele e o papel que embrulha os seus cadernos
Não há comparação parda cabível
Há um oceano
O mesmo mar cemitério que abriga os meus antepassados assassinados
Por essa mesma escravidão que ainda nos oprime
Escrevi
Escrevo
Escreverei
Com letras garrafais
Vermelho-vivo
Pra você lembrar
que jorrou muito sangue.

(Poema extraído da obra O NEGRO EM VERSOS, organização e apresentação de Luis Carlos dos Santos, Maria Galas e Ulisses Tavares. São Paulo: Moderna, 2005 Antologia da Poesia Negra Brasileira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

utilize a sua inteligencia...