quinta-feira, 14 de julho de 2011

África Diversa - I Encontro de Cultura Afro Brasileira

Prefeitura do Rio e Secretaria Municipal de Cultura

apresentam

de 17 a 22 de julho de 2011

Centro Municipal de Artes Calouste Gulbenkian

MESA: "Diversidade cultural: As muitas Áfricas do lado de lá do Atlântico"
Dia 18 de julho às 10:45h.

Palestrante/ALBERTO COSTA E SILVA é poeta, ensaísta, memorialista e historiador brasileiro. Ocupa a cadeira número 9 da Academia Brasileira de Letras. Diplomata pelo Instituto Rio Branco. Doutor Honoris Causa em Letras pela Universidade Obafemi Awlowo, na Nigéria,em1986 e em História pela Universidade Federal Fluminenes, em 2009. Tem participado de atividades diplomáticas como Presidente da Banca Examinadora dos Altos Estudos do Instituto Rio Branco, membro do Comitê Científico do Programa Rota do Escravo, da UNESCO, Secretário na Embaixada do Brasil em Lisboa. Representou o Brasil em numerosas reuniões internacionais, tendo sido delegado do Brasil na reunião da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África em 1961.Recebeu inúmeras condecorações em países como Brasil, Portugal, Peru, Espanha, Itália, Egito, Gabão, Togo, Costa do Marfim, Camarões.

Palestrante/EMANOEL ARAUJO é curador do Museu Afro-Brasil, o mais importante museu brasileiro com acervo sobre cultura negra. O Museu Afro-Brasil é uma instituição pública, subordinada à Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. O Museu conserva um acervo com mais de 5 mil obras, entre pinturas, esculturas, gravuras, fotografias, documentos e peças etnológicas, de autores brasileiros e estrangeiros, produzidos entre o século XV e os dias de hoje. Inaugurado em 2004, o Museu Afro Brasil nasceu por iniciativa de Emanoel Araujo, artista plástico baiano, ex-curador da Pinacoteca do Estado de São Paulo e atual curador do museu.

Mediador/HAROLDO COSTA é ator e escritor. Começou a atuar no Teatro Experimerntal do Negro, na peça "O Filho Pródigo", de Lucio Cardoso. De volta ao Brasil, depois da viagem de cinco anos pelo mundo com a companhia de danças Brasiliana, da qual foi um dos fundadores, diretor artístico e um dos bailarinos, foi convidado por Vinícuis de Moraes para protagonizar a peça "Orfeu da Conceição, um marco na história cultural brasileira.Atuou em diversos filmes. Como produtor-realizador de espetáculos criou espetáculos e shows com carater essencialmente brasileiro e como escritor publicou livros como "Catulo da Paixão", "Fala Crioulo", "Na Cadência do Samba" e "100 anos do Carnaval do Rio de Janeiro".

MESA: "Oralidade e transmissão de saber"
Dia 18 de julho às 13:30h.

Palestrante/CAPITÃ PEDRINA DE LOURDES SANTOS, da Guarda de Moçambique de Nossa Senhora das Mercês é a primeira mulher capitã de Moçambique e participa destas festividades há 39 anos. Dentro da região Central e Centro-Oeste de Minas Gerais vem realizando projetos de seminários, oficinas de instrumentos musicais, ornamentação, indumentária e de confecção de rosário; que visam a preservação e manutenção destas festividades, cuja tradição remonta ao Brasil Colônia e que, através da oralidade, experiência que vem sendo repassada de geração em geração.

Palestrante/FRANÇOIS MOÏSE BAMBA é contador de histórias da tradição Sénoufo, de Burkina Faso. Ele detém os contos de seu pai, de sua mãe, de seus irmãos, da comunidade e de coletas que realizou em sua cidade. Seus contos traduzem a tradição oral burkinabé e suas apresentações são construídas com repertórios diversos, que trazem sempre a filosofia da vida da sociedade em que se formou. François é um dos responsáveis pela Maison de la Parole, em Burkina Faso, que realiza anualmente o YELEEN, importante festival de narradores na África, que faz ações na área de educação e cultura, com construção de bibliotecas e acervos literários. É ainda o presidente da Associação AFRIFOGO, criada visando fortalecer as capacidades individuais, organizacionais e institucionais do conto na África do Oeste Francófona, com ênfase no trabalho com desenvolvimento humano.

Mediador/NEI LOPES é um nome de peso na cultura brasileira, constituindo-se uma referência. Sambista, compositor popular e, hoje, cada vez mais escritor; autor de vasta obra publicada em livros e assemelhados. Compositor profissional desde 1972, com mais de 300 títulos gravados, além de inúmeras regravações, vem, desde os anos 90, esforçando-se pelo rompimento das fronteiras discriminatórias que separam o samba da chamada MPB, em parcerias com músicos como Guinga, Zé Renato e Fátima Guedes. Intérprete de suas próprias canções, Nei Lopes tem vários discos gravados, em registros solo ou em conjunto com outros artistas, como o CD "Nei Lopes - De Letra & Música" (Velas, 2000). Em 2004 lança, pela Fina Flor, o CD "Partido Ao Cubo" contemplado com o Prêmio TIM 2005 de melhor CD de samba e indicado ao Grammy Latino.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

utilize a sua inteligencia...