terça-feira, 17 de julho de 2012

Cognição da Quadratura do Círculo

Esta poesia é um problema.
Esta poesia é um problema.
Esta poesia é um problema.
Esta poesia é um problema.

Problema do orgulho que consume.
Das noites mal dormidas.
Das saudades de Ieda de Araújo,
com ventre doído pela falta.
Esta poesia é um problema.
Pelo Édipo que sou, que amarração
de Luís Antônio, depressivo pelo
escape... conformado com a vivência.
Pela falta de corrida com Masinho, o
de altura.
Pela falta da caminhada nômade
com Leonardo Matos, o de violão.
Pela discussão com Marcopolo,
o de cabelo azul.
- Camaradas... desse e outro tempo...
Pelo nome de balaio que possui.

Esta poesia é um problema,
que talvez não seja meu...
meu dos espíritos envoltos,
do quiprocó que enche a minha íris.
Problema de outros tempos...
da incapacidade com a expressão numérica,
com a indignação de estudar a revolução
industrial; pela pseudo máscara de socialista
aos 17

Ela... problema por a beira mar pegar em 38,
de ler em tempos outros sobre guerrilheiros
Problema.
Problema.

Esta poesia é um problema.
Esta poesia é um problema.
Não me furto a necessidade de criança:
Das ânsias pelo monastério,
Da mente vazia no caminho das Ribeiras;
Da magreza do cabeçudo;
Dá falta que era dar um drible
aos fundos do antigo cinema.

Hoje o problema é a junção de 26.
... Num passado que 86.
Completos em 27, em um mês que é 4º.
O quarto que nunca tive.
O cobertor que era fino.
A cama que era dividida.
Um problema.
Um acaso.
Um conhecimento torto, mas funcional.

Problema da adolescência.
Do bairro no faroeste.
Dos momentos de composição...
das lutas sem causa...
Das noites de insônia.
Da magreza do cabeçudo.
Das repetições.
Consumo de minha alma em desejos
que não voltam.
De um tempo que é outro.
Não sou saudoso.

Mas esta poesia é um problema.
Esta poesia é um problema.
Esta poesia é um problema.
Esta poesia é um problema.


Diego Pinheiro
17 de Julho de 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

utilize a sua inteligencia...