quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Por políticas emancipatórias e inclusivas para a juventude negra



Por Raul Tavares 





É Novembro. Mês da Consciência Negra, onde se comemora, no dia 20,  o Dia da Consciência Negra. É inegável que a questão racial vem sendo debatida de maneira mais recorrente, o que não responde o problema da invisibilização do drama do racismo. Não que o racismo seja invisível mas, por mais absurdo que pareça, nós acabamos por nos “habituar” a viver com ele como se a Democracia Racial fosse concreta no Brasil. Para a realidade de Camaçari, falar de juventude negra é falar de quase a totalidade de nossa juventude. Os problemas de uma sociedade constituída majoritariamente por negros em que o racismo se prova em todos os cantos, em todas as ações, todos os dias, precisam ser debatidos.
A luta dos Movimentos Sociais e a compreensão política em Camaçari são responsáveis por conquistas importantes no âmbito institucional com a Criação da Coopir pela Prefeitura. Sem levar em consideração as dificuldades naturais em se estruturar um órgão para que tenha o devido alcance, institucionalmente é um avanço sem precedentes que deve ser tratado como tal. No entanto, há que se entender que existe a necessidade de ampliar o raio de ação tanto institucional quanto da organização popular e essas frentes de batalha devem ser fortalecidas para que seja possível conquistar mais do que se tem conquistado.
Vale repetir que estamos tratando de uma cidade cuja juventude é majoritariamente negra. Dos nossos 75.000 jovens (entre 15 e 29 anos), 61.410 são negros[1]. Em 2010, 74 jovens negros foram mortos por agressão. Negros pobres, principalmente. É de conhecimento público que os jovens já sofrem o preconceito geracional. Sendo jovem negro, o preconceito duplica. Sendo uma jovem mulher negra, triplica. Sendo uma jovem mulher negra e pobre, quadruplica e assim segue o ciclo de exclusão pela cor, pelo sexo, pela orientação sexual, pelo poder econômico, pela fé que professa, pela escolaridade, pela forma de vestir, etc.
Para além dos números e do senso comum, urge fazermos o debate sério sobre as formas pelas quais construiremos um município mais inclusivo para a sua juventude. Estamos alcançando os espaços nos postos de trabalho, na institucionalidade, na organização da sociedade mas, ainda nos falta mecanismos para sair do estado de vulnerabilidade social para a emancipação econômica e cultural, para a afirmação da identidade negra e, em especial, para o estado de igualdade de oportunidades.
O ano está acabando. 2013 chega com uma nova administração municipal e com a tarefa – espinhosa mas, não impossível – de dar alternativas para o fim da violência com políticas emancipatórias e inclusivas. Cabe ao Movimento Social se organizar e também tratar de incluir cada vez mais gente às fileiras para a batalha. Só assim fortalece. Só assim a juventude negra poderá ter a certeza de um presente mais digno.


[1] Dados do SIM Datasus 2010, Fornecidos Pela Secretaria Nacional de Juventude por ocasião da SeleçãoTerritorial de Prevenção à Violência Contra a Juventude Negra.



6 comentários:

  1. Esses 74 jovens negros mortos foram mortos por quais motivos e por quem mesmo? Já sei, policiais brancos racistas. ou será que na maioria dos casos havia envolvimento com tráfico de drogas?

    ResponderExcluir
  2. Sou engenheiro mecânico, sou "branco" e "quatro olhos". Qual é a primeira coisa que vem a tua cabeça? Com uma apresentação dessas a primeira coisa de que vem a cabeça é "Mas que engenheiro de M...". Lógico que não acho isso seja preconceito puro ou Bullying tecnofóbico puro, embora seja sim, mas é mais irreverente do que propriamente desrespeitoso, porque consigo facilmente dar um nó no assunto levando na boa, assim como vejo negros, pardos, branquelos e japas darem olé em preconceitos com habilidade maior que a minha. Todos nós somos vítimas de preconceito, basta ser feio, ou uma branca (ou negra) linda para ouvir uma besteira (gostosa! Que pode ser dita na boa ou na maldade). Nós brasileiros temos uma habilidade maior do que os americanos e europeus nesse assunto, somos como o Grafite aquele jogador de futebol que ostentava esse apelido na camiseta, coisa que o nem mesmo o brasilianista Matthew Shirts, não "conseguia entender", mas entendia, por isso que ele é brasilianista. Vamos combater o preconceito, sim e sempre. Mas sem esquecer que para nós o preconceito é uma coisa que somente os outros têm, ( sejam os outros de qualquer cor, e garanto que já sofri preconceito de uma tia milionária, e nunca me esqueci disso, lá pelos cinco anos de idade, e não foi uma ou duas vezes, foram várias, hoje eu dou risadas). No meu primeiro emprego de engenheiro um mecânico da engenharia experimental me explicou o que era um caliper de freio, como se eu nunca tivesse visto um, preconceito puro.

    ResponderExcluir
  3. Sou engenheiro mecânico, sou "branco" e "quatro olhos". Qual é a primeira coisa que vem a tua cabeça? Com uma apresentação dessas a primeira coisa de que vem a cabeça é "Mas que engenheiro de M...". Lógico que não acho isso seja preconceito puro ou Bullying tecnofóbico puro, embora seja sim, mas é mais irreverente do que propriamente desrespeitoso, porque consigo facilmente dar um nó no assunto levando na boa, assim como vejo negros, pardos, branquelos e japas darem olé em preconceitos com habilidade maior que a minha. Todos nós somos vítimas de preconceito, basta ser feio, ou uma branca (ou negra) linda para ouvir uma besteira (gostosa! Que pode ser dita na boa ou na maldade). Nós brasileiros temos uma habilidade maior do que os americanos e europeus nesse assunto, somos como o Grafite aquele jogador de futebol que ostentava esse apelido na camiseta, coisa que o nem mesmo o brasilianista Matthew Shirts, não "conseguia entender", mas entendia, por isso que ele é brasilianista. Vamos combater o preconceito, sim e sempre. Mas sem esquecer que para nós o preconceito é uma coisa que somente os outros têm, ( sejam os outros de qualquer cor, e garanto que já sofri preconceito de uma tia milionária, e nunca me esqueci disso, lá pelos cinco anos de idade, e não foi uma ou duas vezes, foram várias, hoje eu dou risadas). No meu primeiro emprego de engenheiro um mecânico da engenharia experimental me explicou o que era um caliper de freio, como se eu nunca tivesse visto um, preconceito puro.

    ResponderExcluir
  4. que xurumela! querem diminuir as mortes? porque vcs não tentam mudar esse padrão de apologia ao bandido, ao marginal? que tal as meninas se vestirem de um jeito normal? outro dia um amigo perguntou porque as meninas brancas no shopping se vestem com equilíbrio, se usam minissaia a blusa é comprida e vice-versa, enquanto que na favela as meninas pretas andam quase nuas. e eu disse que é a cultura delas, as comunidades das favelas só pensam em sexo. quem só pensa em sexo não inventa iphones, tablets, carros, etc. porque tanta mãe solteira, onde estão os homens negros que não assumem suas responsabilidades? onde estão OS PAIS negros? porque raios as mães negras acham que os filhos devem ser criados na rua? prá ficar à vontade e poder fazer mais um filho com um pai diferente? e vcs são tão bestas que quando os esquerdopatas insistem no aborto vcs apóiam: só mesmo matando os bebês negros para diminuir essa proliferação não é? pensar antes de abrir as pernas cansa... abram o olho, a esquerda foi a primeira genocida. procure saber quem foi margaret sangers. negros que tem mãe e pai responsáveis vão bem obrigado. se estão pobres vão deixar de ser em 1 geração. mas vcs, intoxicados pelo marxismo cultural vão continuar aí, nesse favelão mal cheiroso e violento que é a cara de vcs. a sociedade é o resultado da interação dos seus indivíduos, rousseau estava errado!

    ResponderExcluir
  5. os brancos não precisam matar os negros, eles se matam entre si disputando bobagens.

    ResponderExcluir
  6. MEU,SINCERAMENTE
    NAO PODE SER SERIO O QUE ESTÁ SENDO FEITO
    EU SOU NEGRO E NÃO SOU MELHOR OU PIOR DO QUE NINGUEM
    TENHO 28 ANOS E NUNCA SOFRI OU VI CIRCUNSTANCIAS QUE PUDESSEM SER ENQUADRADAS COMO SITUAÇÃO DE RACISMO POR PARTE DE BRANCOS
    PIOR QUE JA VI O CONTRARIO
    TEM UMA HISTORIA MUITO INTERESSANTE DO MILTON NASCIMENTO
    QUE LI ESSES DIAS
    NA DECADA DE 60 ELE FOI PROCURADO PELO POVO DO MOVIMENTO NEGRO DA ÉPOCA E QUANDO ELES CHEGARAM ELE ESTAVA CONVERSANDO COM BRANCOS
    OS CARAS SE RECUSARAM A ENTRAR NA CONVERSA E PEDIRAM PARA FALAR COM ELE EM PARTICULAR NO SENTIDO DE CONVIDA-LO PARA O MOVIMENTO
    E FIZERAM UMA OBSERVAÇÃO A RESPEITO DO ENVOLVIMENTO COM BRANCOS ETC
    QUANDO O MILTOM PUXOU DA CARTEIRA UMA FOTO DELE COM A MAE DE CRIAÇÃO
    EU ACHO E SÓ ACHO DESCULPE NÃO QUERO OFENDER QUE VOCES ESTAO LOQUIANDO NESTE NEGOCIO CONTRA BRANCOS
    MEUS AMIGOS MAIS LEGAIS DESDE CRIANÇA E MESMO MINHAS NAMORADAS NA TOTALIDADE FORAM BRANCOS GENTE BOA E GENEROSA
    MEUS AMIGOS NEGROS E MEUS IRMAOS TEM A MESMA OPINIAO
    SEI QUE NADA VAI MUDAR COM ESSA OBSERVAÇÃO - MAS ESPERANÇA É ULTIMA QUE MORRE
    E NEM SEI SE ADIANTA POSTAR
    MAS SE ALGUEM QUISER
    PODE POSTAR RESPOSTA

    ResponderExcluir

utilize a sua inteligencia...