segunda-feira, 10 de junho de 2013

GUERRA ÉTNICA NO BRASIL

Por: Raphael Mukumbi


          Não prevejo uma Guerra Étnica no Brasil. Não consigo prever esta guerra, pelo simples detalhe de já esta vivendo dentro dela.
           Desde 1500,quando Cabral e sua frota chegaram à costa brasileira,já se inicia ai um conflito armado que se estende ate os dias atuais. Podemos perceber,que durante o inicio da colonização,os indígenas que eram donos legais das terras brasileiras,passam a ser escravos,e hoje são transformados em “povos bárbaros”,depois são vistos como “povos irracionais,e hoje,não obtém direito a longas faixas de terra.
Ainda no período Colonial, a coroa lusa utiliza a Mao de obra negra na condição de escravizado, para poder engordar as burras de dinheiro, com o comercio da cana de açúcar. Neste modelo,s o índio era visto como “bárbaro”,e precisava ser “domesticado” pela caridade cristã,o negro era visto com um ser sem alma,fétido.Sob o uso de afirmações falsas encontradas na bíblia,onde se dizia que o negro era descendente direto Cã,seria assim então ser “amaldiçoado” por Noé,então estavam fadados a escravidão,e a desgraça humana.
       Em 1888, foi decretada a Lei Áurea, que decretava o fim da escravidão em solo brasileiro. Na minha opinião,essa foi a lei mais engraçada de todos os tempos,já que ela tira o negro da senzala,e o joga no relento.Não há iniciativas do Estado, em colocar o negro recém liberto dentro da esfera de cidadão,lhe dando direito a trabalho,moradia,saúde,educação,coisas básicas que transformariam a vida de todos aqueles que respiravam a “liberdade” a partir do dia 13 de maio.
A primeira constituição de 1891 traz um conjunto de leis que nas entrelinhas, serviam ainda mais para excluir o negro recém liberto do meio social. Pode se ter como exemplo a proibição do voto dos analfabetos.(Quem seriam os analfabetos dessa época?). Lei de Vadiagem,(quem estavam sem trabalho nessa época?)
         Ainda é possível citar a constantes perseguições religiosas, que sofrem as religiões de matrizes africanas como principal alvo de desrespeito. Antes para se abrir uma casa de candomblé,era preciso ter um alvará na delegacia,recebendo o mesmo tratamento de um bordel.As perseguições que ficaram intensas durante a Era Vargas,causaram fechamento de muitas casas,e prisões de muitos sacerdotes,como o Pai Procópio de Ogum Aja, que teve seu candomblé invadido pela policia varias vezes.
A ação hipnotizante do racismo ocorre também com a instituição dos padrões de beleza, os quais obrigam a uma adoção a beleza estética eurocentrizada. Quem mais sofreu com essa barbárie foi a mulher negra,que muitas vezes tiveram suas alto estimas feridas,por se acharem feias ou por terem quadris largos e seios fartos,ou por não terem cabelos lisos balançantes com o vento,ou por não terem o nariz afilado,ao estilo helênico de ser.Muitas dessas mulheres sofriam,e sofrem ate hoje.
               O racismo brasileiro age da pior forma possível. Ele brinca, se faceta de varias caras e cores,faz discurso sobre igualdade,e tem horror a Adolf Hitler.É muito fácil no Brasil,encontrar pessoas que sejam contra cotas raciais,a favor da maioridade penal,e que se dizem não serem racistas em nenhum ângulo ou pedaço de centímetro.Podemos perceber o racismo brasileiro quando o jornal mostra a morte de um jovem negro,ninguém sente perplexidade com o tema,acha ate normal,cultural,acha que foi ate um favor.Mas quando ocorre o mesmo fato com um garoto branco de classe media alta,o Brasil entra em luto,com passeatas,manifestos,enfim.A vida do negro,é algo DESCARTADO NO BRASIL
Por isso não vejo uma futura guerra, vejo uma guerra presente e latente, onde brancos e negros matam, porem, só negros morrem






Nenhum comentário:

Postar um comentário

utilize a sua inteligencia...