quinta-feira, 6 de junho de 2013

Sistema de cotas amplia acesso às universidades

Por Emile Lira

Os exemplos do sucesso são muitos. O programa de cotas que democratizou o acesso às universidades para grupos socialmente e historicamente marginalizados no Brasil tem mostrado que as críticas estavam equivocadas: os alunos cotistas têm igual competência e desempenho do que os demais.
Vários estudos vêm mostrando que nas 54 universidades públicas brasileiras onde as cotas foram implantadas, como a Unicamp, UERJ, UNEB, UFBA e UNB, não houve perda na qualidade do ensino.
De acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), durante os anos de 2005 e 2006, os cotistas obtiveram maior média em 31 dos 55 da Unicamp e rendimento igual ou superior aos de não cotistas em 11 dos 16 cursos da UFBA. Na UERJ, os negros obtiveram a média de 6,41, e os não cotistas marcaram 6,37 pontos.
Inclusão - As ações afirmativas foram criadas no começo do século, dando espaço para que negros, índios e pessoas de baixa renda pudessem ter garantido o direito de ingressar no ensino superior.
Numa sociedade onde a cor, etnia e classe social constroem muros separatistas e a tal meritocracia tão defendida pelos reacionários entra em cheque por causa da discrepância das oportunidades, as cotas representam a possibilidade de os menos favorecidos perpassarem essas barreiras.

Há 15 anos, só 2% dos negros possuíam diploma. Hoje, o valor alcançou os 6%. O número ainda não é o ideal, mas com o título universitário, negros e pobres estão conquistando melhores colocações no mercado de trabalho, o que significa a mudança de níveis sociais, a transformação de suas história e de seus filhos, e o marco do avanço por uma universidade mais democrática.

2 comentários:

  1. Vocês são a vergonha da raça! A escória do povo! Vocês não representam de forma alguma os negros deste país ou de qualquer outro. Com ideais baseados em suas revoltas, dramas de comédia americana!!! Cotas são para inferiorizar mais ainda, segregar as raças. Então se você é negro, estudou em escola pública, teve notas ruins, faz um vestibular tem que passar por causa de cotas. Me dá vergonha ver vocês falando asneiras. Marthin Luther King, Malcon X, Nelson Mandela, Joaquim Barbosa esses são os conhecidos, mas tem muitos outros desconhecido que resolveram lutar e não dramatizar por conta de cor. COR NÃO É MULETA. Se não perceberam vocês são uma minoria tão minoria que ninguém sabe que vocês existem. E aquele vídeo daquela garota falando asneiras, ai meu pai... vocês são racistas, vocês são preconceituosos com vocês mesmos. E outra a instituição de vocês é apoiada por brancos capitalistas, isto vocês não falam não é verdade? Faz um favor RENAJUNE!! FUCK OFF!!!
    E ve o que é ser negro de verdade: http://www.youtube.com/watch?v=dMsV6pzxybM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste ver que ainda há pessoas (negros e brancos) que se deixam pautar por veículos como Veja, Globo, Folha etc.

      Excluir

utilize a sua inteligencia...